StockX e a economia dos colecionáveis

av_timer 8 min
COMPARTILHE:

StockX em 15 segundos:

A StockX é conhecida como o “mercado das coisas”, lá você poderá encontrar uma variedade de itens colecionáveis e até mesmo únicos. Para os   colecionadores a plataforma serve para fazer prospecções, cotações e comércio de itens no geral. Amantes de tênis, os Sneakerheads, eles são a maioria dos usuários e também os que mais geram receita. A ideia de negócio do site nasceu a partir da paixão dos fundadores por sneakers e o desejo em poder construir seu próprio ecossistema mercadológico baseado na legitimidade dos produtos (um grande desafio deste segmento).

A plataforma funciona hoje como um grande catálogo de produtos. Além das milhares opções de sneakers, também oferece bolsas, relógios, eletrônicos e colecionáveis de diferentes tipos. Lá os colecionadores podem buscar itens raros que já não são mais fabricados enquanto os vendedores se beneficiam da demanda por meio de um leilão – milhares de pessoas colocam o quanto pagariam e o valor mais alto dentro de um determinado período, leva o produto. 

A ideia de como os produtos  são vendidos chega a ser similar com o da eBay que se vê como um concorrente da plataforma. Porém, a StockX promete um serviço único no qual os itens oferecidos passam por uma maior segurança devido ao processo de autenticação.

Divulgação site StockX

Sobre o que vamos falar nesta tese:

  • A StockX possibilita um mercado assíncrono para empresas especializadas como por exemplo serviços de limpeza e restauração para sneakers. 
  • As marcas conseguem relançar alguns de seus produtos clássicos, possibilitando uma nova maneira das pessoas adquirirem itens escassos.
  • A plataforma está intrinsecamente ligada à cultura, já que os sneakers fazem parte de um universo onde as celebridades ditam algumas modas. As peças usadas por jogadores de basquete ou astros da música são alvos de intensa procura pelos consumidores dentro da plataforma.
  • Lançamentos exclusivos na plataforma se tornaram uma grande vitrine que a marca pode dar à seu produto. Algumas ainda conseguem se beneficiar ao não colocar preço fixo em seus produtos já que os próprios consumidores tendem a aumentar seus “lances” no leilão com o passar do tempo e com o aumento da demanda.
  • Os conteúdos audiovisuais continuam sendo usados como uma poderosa ferramenta para alavancar vendas. Seguindo a linha do entretenimento ao invés de interromper o consumidor, esse tipo de conteúdo consegue agregar valor ao produto para que ele seja leiloado posteriormente na plataforma. 

As oportunidades em StockX

Esse mercado é movimentado graças a cultura do sneakerhead, que são pessoas apaixonadas pela cultura urbana. Impulsionado por colecionadores que veem tênis raros como ativos de investimento, este mercado está estimado em dois bilhões de dólares na América do Norte, de acordo com a Cowen – empresa de serviços financeiros – e deve chegar a seis bilhões em 2025.

O lançamento de produtos diretamente na plataforma da StockX pode significar seu sucesso. É o que empresas como Nike e Adidas têm feito.  Ambas lançaram produtos com edições limitadas diretamente na plataforma e depois viram o preço alcançar três vezes mais do que o previsto. 

Taxa de crescimento das marcas dentro da StockX (highsnobeuty.com)

Deadstock e a revenda de itens escassos

Para a StockX, “deadstock” são itens que aparentam estar novos e que até mesmo nem foram retirados da caixa. De acordo com os fundadores, isso ajuda a definir um preço mínimo para o leilão na plataforma. E se tratando de colecionadores, é natural que todos tenham um cuidado especial com seus produtos.

Vejo bastante na plataforma que os itens escassos e em deadstock conseguem um altíssimo valor de revenda. Lançamentos de décadas passadas e coleções de determinada época de um artista são alvos de intensa procura pelos colecionadores. Essa procura, sem sombra de dúvidas, é intensificada pelo movimento da cultura, sobretudo com a internet e a formação das comunidades.

Cultura, comunidades e o hype

Na minha tese sobre creators, contei um pouco sobre como eles se tornaram marcas com o avanço das redes sociais. Levando isso em consideração, nada mais natural do que os fãs tentarem reproduzir o estilo de seus ídolos, sejam eles jogadores de basquete ou produtores de conteúdo.

Com isso, os grandes impulsionadores da cultura foram os responsáveis pela transição dos tênis como forma de cobrir os pés para peças de design e arte feitas sob medida. Além disso, esses produtos viraram peça chave para a entrada em determinadas comunidades. Usar um tênis de skate não significa que você também anda de skate, mas diz muito sobre a comunidade na qual está inserido. 

É disso que a StockX se aproveita e as marcas também. Essa intensa movimentação na cultura acelera os consumidores a reproduzirem as imagens de seus ídolos, assim como aconteceu com os sneakers que o Michael Jordan usava em quadra. Todos esses produtos acumulam um valor imenso que é gerado por sua exposição ao público. 

Para se ter uma dimensão, os tênis Nike Air Jordan 1S – usados em quadra e autografados pelo próprio Jordan – foram vendidos por US$560.000 em um leilão da Sotheby ‘s.

A partir disso o que pode ser criado?

A StockX é o caminho para a disrupção no modelo de revendas e também no de lançamentos exclusivos. Sneakerheads estão acostumados a se aglomerar na porta de lojas esperando novos “drops“, mas aqui está um modelo digital que se fortaleceu neste período de pandemia já que as lojas tiveram que fechar por um tempo. 

Além de digitalizar práticas de consumo, a plataforma ainda tem o poder de alimentar a cultura já que ganhou notoriedade entre aqueles que a seguem, StockX ficou conhecido como o melhor lugar para buscar por itens únicos e exclusivos. Sabendo que lá poderá encontrar os tênis tão desejados, as cartas colecionáveis de baseball mais antigas e até mesmo as cartas raras de Pokémon.

Aqui vemos uma possibilidade gigante para que novos creators possam colocar seus produtos exclusivos de maneira democrática e de uma forma em que o real valor de seus itens estará aliado à sua imagem e à maneira como eles estão agregando valor. Nesse caso, um produto usado por uma celebridade em um filme e posteriormente lançado na plataforma terá mais valor do que apenas um lançamento, como quando a série Last Dance reviveu a procura pelos tênis da Air Jordan.

Alguns negócios também podem surgir se beneficiando de todo o ecossistema que envolve a StockX, a comunidade de colecionadores e a própria cultura. Serviços como os de limpeza de sneakers, cuidados e diferentes tipos de autenticação podem ser responsáveis pela manutenção de colecionáveis. Outro meio de impacto para as marcas está no gerenciamento das comunidades com conteúdos, eventos e produtos voltados para os colecionadores. 

Lançamento especial Adidas inspirado no filme Clube da Luta

No caso das marcas brasileiras, uma grande porta de entrada para o mundo da StockX seria o de produzir conteúdo para impulsionar o público que é apaixonado por StreetWear, Skate, Hip Hop, dança de rua, futebol e outras culturas urbanas. Seja um tênis clássico ou um colecionável de 10 anos atrás, existe aqui uma oportunidade em criar o hype em um item até que esteja na plataforma para venda. Edições especiais também são alvo de intensa demanda por se tratar de produtos escassos.

Outro meio de entrada para as marcas é aliar essas edições exclusivas ou comemorativas com NFTs. A versão digital do produto pode ser colocada como um bônus depois da compra. Algumas marcas gringas já vendem seus produtos físicos com versões em NFTs e o próprio consumidor é quem decide qual delas vai coletar. Nesse modelo, caso as pessoas prefiram o produto físico, a versão digital se tornará um item muito mais escasso, o que pode gerar um aumento de valor. E aí o leque de opções é infinito.

Por conta de toda essa movimentação no mercado, algumas pessoas ao invés de investir em ações e títulos tradicionais, estão comprando sneakers porque sabem que mais tarde aquele produto vai valorizar e poderá ser vendido por um preço maior do que o adquirido. Esse é um mercado que se abre tanto para quem é apaixonado por coleções quanto para quem busca alguma outra forma de investir seu dinheiro.

Essa é a cultura dos sneakers e dos colecionáveis transformada em business.

Abraço,

Rapha Avellar

COMPARTILHE: