O Discurso Contra as Mídias Sociais é um Discurso Falido

O discurso em torno das redes sociais ainda é extremamente confuso.

Essa afirmação deveria soar como absurda nos ouvidos de qualquer pessoa que empreende em 2019.

E eu, particularmente, fico muito assustado em ver que quase 100% dos empreendedores acham normal quando alguém fala esse tipo de coisa. 

Estamos a um passo de mudarmos de década, a internet se tornou popular há mais de vinte anos e simplesmente não entra na minha cabeça o fato de as pessoas ainda não entenderem o que as mídias sociais representam no mundo dos negócios. 

Não tem nada de confuso. O papel do social é claro dentro das estratégias digitais. 

E se você ainda não entendeu isso, essa é a sua oportunidade de rever sua opinião. 

Ninguém se tornou ‘falso’ com as redes sociais

Toda vez que alguém vem me dizer que o Instagram, Facebook e Twitter estão criando pessoas “falsas”, eu discordo completamente. 

Para mim, quem acredita nisso e ainda reproduz esse discurso tem uma dificuldade séria em entender a evolução do mundo e das relações sociais.

É óbvio que tem muita gente que finge que tem o que não tem nas redes sociais. O empreendedorismo de palco, uma das maiores pragas da atualidade, é a prova disso. 

Também é óbvio que quem consome conteúdo (ou seja, todo mundo), tem que ser muito criterioso em relação a quem segue e quais mídias consome.

Também é da nossa responsabilidade ser capaz de julgar qual tipo de conteúdo é sério e qual não passa de uma tentativa falha de gerar engajamento e alcance. 

Mas o que mais me incomoda nessa história de que as redes sociais são o “antro da falsidade” é ninguém lembrar de que a mentira sempre existiu.

Logo, a tecnologia não muda quem a gente é, ela só expõe.

Eu sempre digo que a internet é uma vitrine, assim como as redes sociais. Ou seja, ninguém “se tornou” algo quando começou a fazer uso dela. Tudo que a pessoa já era fora dela foi apenas potencializado.

O que eu quero dizer é que desde que o mundo é mundo existem pessoas querendo passar os outros para trás. Gente que vende um produto falsificado afirmando que é original, gente que mente a profissão, o salário. 

A lista é longa.

E tudo isso muito antes de as redes sociais serem sequer uma ideia.

Então, as redes sociais se tornaram apenas mais um canal para essas pessoas extrapolarem as suas mentiras.

Quem já mentia sobre o seu cargo antes da internet, simplesmente passou a continuar mentindo no Linkedin, por exemplo. 

Então já está mais do que na hora de entender (e aceitar) que as redes sociais não são um lugar de gente falsa, e nem que criam a falsidade. 

Ela é apenas uma vitrine que reflete o que as pessoas já são.

Falta compreender a objetividade do digital

Achar que as mídias sociais são algo negativo é um sintoma. 

Sintoma da incapacidade que algumas pessoas têm de entender que, no meio digital, tudo é muito menos subjetivo. 

Antes, para descobrir que alguém estava agindo de má fé ou passando a perna em alguém se levava muito tempo. Muitas vezes a pessoa só se dava conta de que foi passada para trás quando já não tinha mais como reverter a situação. 

Assim, a “reputação ruim” de alguém ou de alguma empresa ficava 100% dependendo do boca a boca. 

Com as mídias sociais, hoje, tudo é muito mais objetivo e menos subjetivo. 

Seja com os próprios mecanismos das plataformas que estão cada vez mais rígidos com conteúdos fraudulentos ou pela própria perspicácia dos usuários, é muito mais fácil distinguir o que é ou não verdade.

E eu sempre me pergunto: como é que isso ainda pode ser visto como uma coisa negativa? As pessoas são tão ingênuas assim?

As redes sociais são um fenômeno sociocultural e econômico absurdo; trouxeram coisas brilhantes em termos de comunicação, de acesso à informação e de potencial de carreira. 

Elas estão possibilitando debates que antes ficavam apenas no campo subjetivo, e isso é extremamente benéfico, pois vai ajudar a trazer diálogos cada vez mais francos.

A internet é uma avenida

Já deu para perceber que eu sou fascinado pela internet por uma ótica otimista.

Eu digo que a internet é uma avenida porque ela é uma via livre, onde todas as barreiras foram derrubadas para as pessoas se sentirem livres para começar um negócio, uma conversa ou um gameplay.

Ela é, literalmente, uma porta para o mundo. E já não existe nenhum gatekeeper que te impeça de fazer o que te inspira. 

Eu sempre digo que todo mundo está a um conteúdo de um relacionamento que pode abrir uma porta que vai revolucionar a sua vida. Assim como aconteceu comigo.

Enquanto eu ouvia o discurso contra o digital e a internet vindo de todos os cantos, eu apostei todas as minhas fichas neles.

Para quem ainda não sabe, a Avellar Media já é minha terceira empresa, e posso dizer que nos últimos quatro anos eu senti essa revolução na pele. 

Eu levei a empresa da minha família, que caiu de 15 para 3 milhões em faturamento, para 20 milhões de reais. E tudo nas costas do digital e da internet.

É por isso que eu nunca vou concordar com quem condena a internet.

Estamos vivendo a melhor era da história para empreender

Eu acho que a maioria das pessoas não se dá conta do momento em que estamos vivendo. 

Não existiu, em nenhuma outra era, uma fase tão benéfica para empreender, para absorver conhecimento, criar relacionamentos saudáveis e construir oportunidades.

E tudo isso por causa desse acontecimento tão “simples” chamado internet.

As pessoas que não percebem isso são no mínimo ingratas.

“Ingratas” porque preferem abdicar de um universo de oportunidades e se agarrar a um discurso pessimista porque esse é o discurso mais fácil de ser comprado. 

Como conclusão desse desabafo, eu afirmo com toda a certeza que a internet e as redes sociais trouxeram muito mais benefícios do que gargalos.

E se agarrar às oportunidades é a maneira mais simples de se mostrar agradecido pela possibilidade de expandir horizontes e mostrar a verdade sobre o seu negócio.